top of page
  • Foto do escritorcontato418428

Nesta primavera, cuidado com a CATAPORA



A primavera é um tempo feliz para os papais e mamães, né? Apesar da estiagem, dá para passear bastante ao ar livre com os pequenos, aproveitar bons momentos na praia e na piscina, permitir que se divirtam na terra, brincar muito no quintal…


...mas, apesar de essa ser a estação mais florida do ano, NEM TUDO SÃO FLORES!


É nessa época do ano, entre o fim do inverno e a primavera, que costuma aparecer a maior parte de casos de varicela, conhecida popularmente pelo nome de “CATAPORA” e causada pelo vírus varicela-zóster, um tipo de vírus de herpes altamente transmissível.


Essa maior proliferação viral está associada às mudanças bruscas no clima. A gente sai do friozinho do inverno e vai para esse calorzão típico da primavera.


Ela provoca manchas rosadas e pequenas bolhas cheias de líquido que provocam um mal-estar danado, muita coceira no rosto, couro cabeludo e tronco. Essas erupções tendem a desaparecer em alguns dias. Além das lesões, a febre é um sintoma importante da catapora.


Já dissemos que esse é um vírus altamente transmissível, né? Então, ao serem detectados esses sintomas, é importante que o pequeno não vá à escola nem saia para brincar com os amiguinhos, para evitar contaminar mais gente. Geralmente, a transmissibilidade é maior logo nos primeiros dias de sintomas, mas algumas pessoas, como as que têm problema no sistema imunológico, são vetores por mais tempo.


A imensa maioria dos casos de catapora ocorre em crianças. O contágio acontece por meio do contato com o líquido da bolha ou pela tosse, espirros ou contato com objetos contaminados pela secreção respiratória do paciente.


Os casos graves são bastante raros, mas crianças, adolescentes e adultos estão sujeitos a ter complicações da doença, como infecções bacterianas nas bolhas da pele, pneumonia e até inflamação do cérebro. A doença pode ser fatal.


Tratamento


Assim como para um montão de vírus, como dengue e Covid-19, não existe um tratamento específico. Alguns medicamentos podem ajudar a diminuir os desconfortos; no caso, coceira e febre. E acredite: as bolhas da catapora COÇAM MUITO. A recomendação para os papais e mamães é de cortar as unhas dos bebês e crianças, para evitar que o ato de coçar leve à formação de cicatrizes.


E atenção: em hipótese nenhuma deve ser administrada aspirina ou produtos que contenham essa substância em crianças com catapora. Isso porque o uso deste medicamento durante esse quadro infeccioso está associado à Síndrome de Reye, uma doença grave que afeta todo o organismo e, de forma ainda mais séria, o fígado e o cérebro, podendo levar à morte.


Como prevenir?


Mais uma vez, as vacinas são nossas aliadas essenciais!

Existe vacina contra a catapora. Ela é atenuada, ou seja, o vírus está enfraquecido, portanto é impossível que ele cause a doença. Anota aí o esquema de doses recomendado, de acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm):

  • A primeira dose contra catapora é aplicada quando o bebê tem 15 meses de vida, como parte da vacina tetraviral, que protege também contra sarampo, caxumba e rubéola.

  • O Programa Nacional de Imunizações (PNI) disponibiliza uma dose da vacina varicela, para crianças de 4 anos de idade, correspondente à segunda dose contra varicela.

  • A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda duas doses contra a catapora: a primeira aos 12 meses e a segunda entre 15 e 24 meses de vida. Como esse esquema coincide com a tetraviral (SCR-V), ela pode ser utilizada nas duas doses.

  • Para crianças de até 11 anos, o intervalo mínimo entre doses é de três meses. Para adolescentes e adultos suscetíveis, são indicadas duas doses com intervalo de um a dois meses.

  • Caso haja um surto na cidade, na creche ou na escola, o esquema muda: pode ser aplicada em bebês a partir de 9 meses de vida, dose que será desconsiderada. O imunizante deverá ser aplicado normalmente, conforme a rotina, aos 12 meses e depois entre 15 e 24 meses de idade.

As contraindicações são: pessoas alérgicas a qualquer um dos componentes da vacina e gestantes. Quem tem o sistema imunológico bastante comprometido deve consultar um médico antes de receber o imunizante.

E claro que aqui na Vacinar faz bem você pode contar com toda a proteção contra essa doença tão séria. Importante lembrar que não apenas as crianças devem se proteger, mas também os adultos.

Herpes zóster

O vírus da catapora é tão chato que pode ficar “adormecido” por muitos anos NO ORGANISMO e, principalmente após os 60 anos, “acordar” e provocar O herpes-zóster, conhecida popularmente como “cobreiro”. Ela afeta demais a qualidade de vida dos idosos e causa muita dor.

A boa notícia é que existe vacina contra essa doença também, e ela está disponível aqui na Vacinar faz bem! O imunizante está indicado para pessoas a partir dos 50 anos e uma dose basta para proteger por toda a vida.

Vacinar faz bem!


25 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page