top of page
  • Foto do escritorcontato418428

Os especialistas e o Ministério da Saúde são enfáticos quando se trata dos óbitos pela doença: a maioria das mortes poderia ser evitada.




Em meio à epidemia da dengue vivida pelo Brasil, os especialistas e o Ministério da Saúde são enfáticos quando se trata dos óbitos pela doença: a maioria das mortes poderia ser evitada.


O Brasil já conta mais de 1000 mortes confirmadas por dengue – em toda a série histórica (2000-2023), o Brasil nunca havia ultrapassado esta marca.


Nos dois últimos anos, além da explosão de casos, o país também registrou recorde de mortes. Foram 1.053 óbitos em 2022 e 1.094 em 2023 – em toda a série histórica (2000-2023), o Brasil nunca tinha ultrapassado a marca de mil óbitos.


De acordo com os infectologistas, a taxa de letalidade da dengue não é extremamente elevada. O valor se refere à quantidade de pessoas que morreram por uma doença em relação à quantidade de infectados por ela. Atualmente, a taxa de letalidade da dengue está em 0,02.


Carlos Fortaleza, médico infectologista e diretor da Faculdade de Medicina da UNESP, afirma que quase na totalidade dos casos, quando se identifica uma tendência para evolução para gravidade, há medidas que podem ser tomadas para evitar a morte.

"A maior parte dos casos têm uma boa evolução clínica, mas algumas pessoas acabam desenvolvendo casos mais graves que, se não tratados adequadamente, podem levar ao óbito", comenta.

De acordo com o Ministério da Saúde, a não evolução da doença para o falecimento "depende, na maioria das vezes, da qualidade da assistência prestada e organização da rede de serviços de saúde".

Mas se grande parte das mortes por dengue pode ser evitada, quando o quadro da infecção evolui para o óbito?


Grupos mais vulneráveis

Como em outras doenças, como a gripe e até a Covid-19, também há grupos mais vulneráveis a desenvolver quadros graves de dengue. Para essas pessoas, existe uma chance maior de um agravamento dos sintomas e de um possível falecimento por conta da doença.


O médico infectologista e diretor clínico do Grupo Fleury, Celso Granato, explica que a dengue tem como característica ser uma doença que inflama muito o organismo. 


"Pessoas que têm outras doenças, especialmente do tipo inflamatórias, tendem a ter um quadro mais grave de dengue", analisa.


Outro ponto reforçado pelos especialistas é que a reinfecção, em geral, aumenta a chance de desenvolvimento grave da doença. "Em uma situação de dengue primária, taxa geral de mortalidade é de 0,3 a cada mil pessoas. Em casos de dengue secundária, essa taxa aumenta para 3 em cada mil", compara o infectologista.


A dengue tem quatro sorotipos: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4 — todos podem causar as diferentes formas da doença. Assim, uma pessoa pode ter doença até quatro vezes ao longo de sua vida, já que se torna imune somente ao sorotipo que já foi infectada.


"Quando você dengue pela segunda vez, você ainda possui anticorpos da primeira infecção, mas eles não são suficientes para matar o vírus. Esses anticorpos grudam no vírus e o sistema imunológico acaba trazendo essa combinação com o vírus ainda vivo para dentro das células, potencializando a infecção", explica Granato.


Importância dos sinais de alarme


Os chamados sinais de alarme são fundamentais para identificar os casos graves da doença e, assim, evitar mortes por dengue.


Os sinais de alarme aparecem depois do período febril e são principalmente:


  • Dor abdominal intensa

  • Vômitos persistentes

  • Acúmulo de líquidos em cavidades corporais

  • Sangramento de mucosa

  • Hemorragias


O Ministério da Saúde recomenda que os pacientes que apresentam sinais de alarme ou quadros graves da doença devem procurar um serviço de saúde, para acompanhamento clínico.


Os especialistas alertam que é importante não só a identificação dos sintomas pelas pessoas, como também o preparo dos profissionais de saúde para o tratamento adequado.


"O não reconhecimento desses casos é o que faz muitas vezes com que se libere para casa pacientes que posteriormente evoluem para um quadro mais grave e acabam falecendo", avalia o infectologista Carlos Fortaleza.


Celso Granato também lembra que conhecer os sinais é fundamental para que o paciente passe a se hidratar mais e evite maiores complicações.


"A hidratação salva a vida de pessoas com quadros mais graves de dengue. Quanto mais cedo se hidratar, mais cedo se recupera e diminui muito a chance de morte por dengue", reforça.


Fonte: Ministério da Saúde e G1.

4 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page